Gamification – A teoria dos jogos na qualificação docente

O Programa de Formação Continuada, do Grupo Tiradentes, é uma plataforma de aperfeiçoamento permanente, voltada a integrar o corpo docente das instituições às demandas mais recentes de ensino e aprendizagem, atrelado a atualização de currículo e competências.
Para isso, a iniciativa frequentemente realizada treinamentos, como o que ocorreu na última sexta (11), na Unidade Castro Leão, da Facipe, reunindo coordenadores e professores em torno de um único tema: Gamification.
Quem apresentou o tema foi o gerente do Projeto Formação por Competências, professor Dr. Jardel Leite Araújo, que detalhou a nova metodologia. “A Gamification utiliza a dinâmica dos jogos, cujo objetivo primordial é a possibilidade de conseguir pontos. Contudo, neste caso, a motivação do aluno será o principal ingrediente, numa estrutura que comporte regras e definições de competitividade entre equipes”, explicou o também Coordenador de Inovação Acadêmica, do Grupo Tiradentes.
De forma prática, seria como se o aluno tivesse que estudar sobre a Guerrilha do Araguaia, e pudesse escolher a maneira mais interessante, através de textos e ilustrações dos livros de história ou colocando-se no lugar de um guerrilheiro no meio da mata e explorando uma região em um jogo que simule cada passo dos combatentes.

Provavelmente a segunda opção seria a mais escolhida, por deixar a lição mais atrativa e eficiente para o processo de ensino-aprendizagem. “A Gamification faz o aluno participar de etapas que vão evoluindo, e com o passar do tempo, ele estará aprendendo e se divertindo, e no caso de disputas entre equipes, haverá uma sadia competição onde no final todos ganharão,” complementou o prof. Jardel Leite Araújo.
O recurso do Gamification faz parte do Currículo por Competências, onde a aplicação de diferentes metodologias dentro de sala de aula é direcionada a definição de objetivos e competências.
“Atualmente estamos na fase da Educação por Competência, pegando cada componente curricular fazendo com que o profissional mude sua dinâmica e visão, desenvolvendo mecanismos diferentes para a aprendizagem do aluno, com o objetivo de uma formação mais completa, dinâmica e abrangente”, finalizou o prof. Jardel Leite Araújo.
Currículo por Competências – A ideia do Currículo por Competências surgiu a partir da Declaração de Bolonha, assinada em 1999, pelos Ministros da Educação de 29 países europeus. O documento desencadeou o Processo de Bolonha, cujo objetivo era promover a comparabilidade, transparência e legibilidade dos sistemas europeus de ensino superior.

A partir dele, a IES da Europa tinham que reorganizar os graus e diplomas, para implementar instrumentos que promovessem a mobilidade e empregabilidade, bem como, o desenvolvimento de mecanismos que garantisse a qualidade e acreditação dos cursos.
Em resumo, o Currículo por Competência é uma metodologia de ensino sistematizada e planejada a partir das competências a serem desenvolvidas nos alunos por meio de uma proposta curricular alinhada com o mercado de trabalho.
Na América Latina, o professor da Universidade de Havana, o cubano Roberto de Armas é uma das sumidades quando se fala no assunto, tendo realizado palestras na última Jornada de Mobilização Pedagógica, da Facipe, realizada no final de janeiro de 2015.
Roberto de Armas é membro do Comitê Acadêmico do Mestrado em Psicopedagogia e presidente do Comitê Técnico Avaliador de carreiras universitárias, lecionando há mais de 40 anos, e atuando como professor convidado de mais de 30 instituições educacionais na América e Europa.

Fonte: Clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *